Vontades confusas
Ser feliz. Ser alegre mesmo quando seu leite em pó está com horas contadas. Ser otimista mesmo quando uma prima distante quer roubar o carinho que você recebe de sua avó. Manter a paciência quando seu professor não se importa com a sua vida social. Ter esperança mesmo quando a sua nota de redação no vestibular foi um desastre. Continuar escrevendo poesia mesmo que precise treinar a narrativa. Ler romances de autoras desconhecidas ao invés de clássicos nacionais. Ler clássicos brasileiros sem ser por obrigação. Ter um escritor favorito e indicar para alguém os livros deste. Possuir uma banda favorita e que é só sua, mas que às vezes pode se fazer um esforço para compartilhar algumas canções desta com seus amigos mais próximos. Tomar sorvete para espantar as lágrimas pelo ex. Se maquiar todinha na frente do espelho enegrecido com as sombras de sua avó para ir para uma festa de forró para apenas rir ou reclamar de tudo. Se permitir ouvir um estilo musical que você odeia, apenas para reclamar com o grupo e aproveitar a batida para pular e dançar no seu carnaval em pleno novembro. Manter a pureza e a elegância dos gestos, mesmo quando ouve-se tantos palavrões hoje em dia. Falar palavrões apenas quando se bater o dedão em alguma quina e alto lá. Conversar com sua avó paterna sobre os problemas sociais. Comunicar seus sentimentos mais profundos e desconhecidos. Ler a bula do remédio de pressão, sem nem tocar neste. Comprar diversas balas redondas e coloridas e se suicidar de mentira com estas. Passar protetor solar em dias nublados. Tomar banho de chuva na redenção da seca nordestina. Escrever sobre amores impossíveis e desconhecidos. Discutir sobre as cores e sobre os tecidos. Abraçar forte uma pessoa do seu mesmo sexo. Fazer caretas sensuais em fotografias. Rir sem parar com desenhos toscos. Mandar cartas para amigos desconhecidos que moram do outro lado do país. Aguardar ansioso os dias para sua correspondência chegar. Se estressar atoa e ter alguém engraçado te chamando de explosivo. Molhar alguém por vingança. Ser rabugento e reclamar das traquinagens de seus irmãos e ainda assim comer biscoitos recheados escondidos, quando todos já se deitaram e adormeceram. Dormir até tarde. Ficar insone a noite toda ansioso esperando coisas boas do dia seguinte. Receber uma mensagem na virada do dia. Mandar para si próprio uma flor ou uma correspondência assinada por um admirador secreto. Se esquecer da data de aniversário de um amigo e fazer uma festa surpresa para se redimir. Assistir sozinho sua série favorita e obrigar seu gato a te acompanhar neste ato. Ser atoa mesmo fazendo muitos atos. Ser ateu por um dia, apenas para perceber como a vida é impossível sem uma força divina. Ser fiel em momentos de dúvida. Ser agnóstico em dias santos. Ser devote de Iemanjá na noite de natal, apenas para contrariar a vida. A vida é curta, como um filme, porém como nos longas podemos ser felizes e contentes de nós mesmos. Ser alegres por simplesmente ser. Feliz por apenas querer e fazer. Aprender a amar sem cores, pois a vida é gostar do outro. Paixão é vela que se apaga logo, mas o amor mesmo não. Amor é mais abraço do que beijo. Amor é amizade, harmonia e maresias. O amor é clichê quando se assim deseja. O desejo em si que é clichê. O amor, o bruto e puro, é uma das coisas mais difíceis de se achar. Porém o amor está no ar e basta se inalar para se alegrar um pouco. Ame-se, para de procurar caras metades, você já possui uma inteira para se contentar com si próprio. Queira bem para si próprio, seja carinho com seu ego. O resto é consequência e incidência. O resto é a cargo do amor.
Vinícius Canário.   (via sustentadora)
Quero um amor que assista um filme comigo mechendo no meu cabelo, que quando eu chorar me faça rir, que me chame de linda quando eu chamá-lo de idiota, que ande de mãos dadas comigo, que me beije na chuva e quando eu falar de mais, que durma de conchinha e me esquente nas noites frias de inverno, que me mande rosas com um cartão, que eu goste do seu perfume. Um amor que passe as tardes comigo dormindo ou simplesmente fazendo nada, apenas deitados na cama, eu que quero um amor que me entenda quando não estou nos meus melhores dia, resumindo: eu quero alguém que com pequenas coisas me faça feliz.
Caio Fenando Abreu.  (via depressan-t)

Ficou comprovado que 95% das cosquinhas terminam em beijo. Eu faço parte dos 5% que terminam dando murro, e mandando ir se fuder.

Livros não mudam o mundo. Livros mudam pessoas. Pessoas mudam o mundo.
—  Mário Quintana.   (via aprendizdepoeta)
Eu sou muito sozinho, mas ninguém percebe. Acham que por eu estar sorrindo, eu estou bem. Eu posso estar dando risadas, mas precisando de um abraço. Por que não?
Marcello Henrique. (via sou-inseguro)

theme: cerejadosundae. +
»